segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Cosplay - CIEL PHANTOMHIVE - Kuroshitsuji





Aqui, postarei as fotos do meu cosplay e também comentários que eu ache interessante registrar. Seja sobre o personagem, sobre como consegui meu cosplay, o retorno que me trouxe e o que mais eu considerar relevante.



O Personagem na Série:

Ciel Phantomhive é um garoto de 12 anos, conde e herdeiro de uma poderosa família inglesa. A familia Phantomhive é conhecida por sua grande indústria de brinquedos mas possui também um papel oculto. A família serve diretamente á família real, mais especificamente á rainha da Inglaterra, sendo praticamente seu "cão de guarda" e encarregada de realizar investigações de casos misteriosos e ligados ao  ocultismo que possam constituir um risco ao governo inglês.
Tendo seus pais mortos em um misterioso incêndio, Ciel ainda criança, foi raptado por pessoas misteriosas de uma seita, na qual foi submetido á diversos tipos de tortura e abuso. Quando estava prestes a ser sacrificado em um ritual satânico, o demônio invocado lhe faz diretamente uma proposta: lhe ajudaria e ficaria do seu lado até que ele completasse sua vingança e em troca o garoto lhe entregaria sua alma. Ciel aceitou e ambos fizeram um pacto.


Assim, o demônio toma a forma do mordomo Sebastian e se mantém sempre ao lado de Ciel, ajudando-o a desvendar os casos incumbidos pela rainha, educa-o para se comportar em meio a alta sociedade e faz boa parte dos afazeres da mansão. Ciel e Sebastian formam uma parceria única mas em alguns momentos nos lembramos que aquilo é uma grande fachada pois quando a vingança de Ciel for concluída, Sebastian terá a alma que tanto almeja devorar.




Confesso que eu não me lembro como decidi fazer cosplay do Ciel. Kuroshitsuji foi uma obra que me chamou a atenção logo no primeiro momento, tanto pela história como pelos traços e personagens. De longe, meu personagem preferido é o Sebastian mas acredito que eu optei pelo Ciel porque em termos de padrão físico. sugestão de amigos e personalidade, ele é mais parecido comigo.

Decidi então, tentar cosplayer ele e foi dificil escolher qual dos inúmeros visuais fazer. Porque o Ciel deve ter um dos maiores e mais bonitos guarda-roupas de anime, com uma variedade moda londrina mesclado com o lolita tomby (existe esse termo?) e uma pegada do estilo visual kei. Mas no fim optei pela roupa mais prática e conhecida dele: o terno azul. Além de ser uma roupa confortável, ela é prática e agradeço ao Michel Cosmaker pelo excelente trabalho feito na roupa.




Não tive muitas dificuldades em montar o cosplay e até o momento o usei apenas 3 vezes. Uma em evento e duas em photoshoot. Ainda quero rrealizar mais uns dois photoshoots com esse cosplay. Quem sabe até com um grupão lindo de Kuroshitsuji? *_*

Os acessórios foi bem de boas achar..o cetro encontrei em loja de fantasias e dei uma personalidade. Posteriormente comprei um crânio (vulgo nome de Afrânio) que era um acessório que eu almejava á tempos para realizar fotos com personagens mais sombrios (utilizo ele tanto no Ciel quanto na Morte). Tenho ainda uma pelúcia do Sebastian.
M,as o mais legal de fazer o cospaly do Ciel é ter a companhia das amigas que fazem cosplay dos demais personagens da obra. 




Na primeira vez que usei o Ciel,m estreei ele com 3 amigas que também estavam estreando seus cosplays de Kuroshitsuji. Foi em um Festival do Japão. O bom é que, como o Ciel é o personagem central, qualquer outro personagem dá pra fazer ótimas fotos. Meu primeiro photoshoot foi com minha amiga  Hime de Madame Red: tinhámos ali sobrinho e tia e o resultado ficou lindo.
Posteriormente, em minha busca por um Sebastian minha amiga PaulaFer topou fazer ai realizamos um photoshoot fantástico em um casarão antigo, com um clima sombrio e inebriante.

Tudo isso ocorreu esse ano e acho que foi esse e os demais photoshoots que realizei que me fizeram enxergar o quanto é compensador fazer ensaios cosplay. E que isso acaba compensando mais do que eventos ultimamente. Mas não me estenderei aqui sobre isso, prefiro deixar para um futuro post mais específico.




A única coisa que incomoda nesse cosplay é tapa-olho. Na boa galera...tentem evitar de fazer cosplay que precise disso. É super desconfortável para usar. Não sei para os outros mas para mim é terrível. Mesmo fazendo o tapa-olho com tecido,m modelado certinho e tal, ainda assim incomoda. Pra mim incomoda a pressão que ele causa na pálpebra, mesmo se eu não apertar. O Ciel usa o tapa-olho porque ao fazer o pacto com o demônio, a "marca" do pacto se fixa nos olhos dele (dando um efeito muito legal) e ele precisa usar o ta-olho a fim de que ninguém descubra.

Por sorte a peruca do Ciel cobre bem o olho então isso me permitiu poder usar o cosplay livre do tapa-olho. Cheguei a usá-lo um pouco para algumas fotos mas passo a maior parte do tempo sem, principalmente se for para evento. E a ausência dele não afeta o resultado final do cosplay.


Ciel e a tia Madame Red

 
Ciel e Sebastian - pirem no yaoi                                     Ciel e Alois: dois  condes com as almas
                                                              vendidas á demônios.



O Ciel é um cosplay que gostei muito de usar e com ele, acabei me afeiçoando ainda mais ao personagem, se tornando querido por mim. Não tive muito trabalho para incorporá-lo porque ele é o tipo de personagem que mais curto fazer: sério, rude, orgulhoso, arrogante, habilidoso  e com charme e estilo. Embora o tenha usado 3 vezes, não cheguei a fazer mudanças significativas nele, apenas um ou outro detalhe para deixar um pouco melhor. 

É o tipo de cosplay gostoso de se usar com mais gente, porque como o Ciel é sério e não luta, as opções de pose dele acabam sendo mais limitadas. Mas com grupo e principalmente com duplas, as opções de poses para criar belas fotos se tornam muito grandes. Principalmente se for Ciel e Sebastian XD. Que além de ter um toque clássico e sexy, também permite toda uma temática mística e decadente.




Uma coisa que tomo muito cuidado é com relação a maquiagem dele. Embora o Ciel seja um personagem meio andrógeno e de obra shoujo, não significa que se deva exagerar na maquiagem. Já vi muitos cosplays bons deele (nacionais e internacionais) que embora estivessem excelentes na roupam, exageraram na maquiagem, deixando o personagem afeminado demais. É preciso ter em mente que no contexto da história o Ciel é um garoto de 12 anos, rico e influente vivendo em plena época vitoriana na Inglaterra. Fora que a personalidade dele deixa claro que não é adepto de delicadezas e trejeitos.

Ele não usaria maquiagem feminina (exceto na versão lady Ciel). A idéia é você parecer um menino e não uma menina. Tendo isso em mente, procuro usar uma maquiagem suave no personagem, tentando parecer mais masculina mas com um toque juvenil. Mas ainda assim parecendo um menininho. Bom, minhas coxas não ajudam muito mas pelo menos no rosto e no achatamento dos peitos eu tento dar um jeito XD.




Acho que o Ciel é o tipo de cosplay que vale muito á pena para se usar em photoshoots..porque é neles que dá pra fazer um belo trabalho sobre o personagem. Aqui no Brasil é um pouco dificil de encontrar cenários que combinem, mas não é impossível e com um pouco de pesquisa é possível encontrar ótimos lugares. Nos dois ensaios que fiz, os lugares foram excelentes e combinaram com a temática e para o terceiro ensaio já tenho em mente onde fazer.

Não estou mais na vibe de eventos, mas quem sabe eu ainda o use em algum. Mas o Ciel é uma roupa quente então não dá pra usar em épocas de calor (o tecido do terno é bem grosso) bem como as roupas dos demais personagens que são todas fechadas e quentes. E não queremos ser um grupo que fique derretendo no evento hehehe.



 


Enfim, acho que não tenho muito mais o que falar sobre esse cosplay. É um que gosto e que realmente curti o resultado. Bom, eu sempre curto fazer cosplays masculinos e sempre que surge uma oportunidade para fazer, me empolgo e tento fazer o melhor que for possível. E quero muito poder usar o Ciel mais vezes!




~*~


Photos by
Roger William
Fabricio Modesto Dolci
Feripe Hatsune




segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Tsu no Vídeo




Hey, pessoal!
Fazia tempo que eu não passava por aqui, hein? Peço mil desculpas pela ausência!
Mas esses últimos tempos andam sendo uma correria absurda! Isso em várias coisas da vida. No geral acho que o tempo está passando rápido demais. O fim de ano já está ai e os dias andam bem curtos...consequência de nossa vida em constante movimento. Mas confesso que demorei um pouco para atualizar o blog porque não sabia bem o que postar. Dentre várias coisas e ideias que me vinham á mente, não conseguia me decidir em nenhum. mas acabei optando por falar um pouco sobre o meu canal do Youtube!!! \o/
É o TSU NO VIDEO!




Eu tenho um canal do Youtube para quem não sabe. Ele é mega amador e simplezinho mas eu tento fazer o melhor que posso nele e aos poucos vou melhorando uma coisinha aqui e outra ali. O foco do canal é falar sobre Cosplay. Mais precisamente sobre assuntos que permeiam o meio cosplay nacional e que são presentes em todo nicho de cosplayers.
Desse modo, sempre procuro falar sobre diversas coisas relacionadas ao tema escolhido. Pego com base depoimentos, acontecimentos, experiência (tanto pessoal quanto de outras pessoas) e tudo o mais que seja relacionado á esse meio. Ocasionalmente pergunto no meu facebook que temas a galera gostaria que eu abordasse e com base nisso vou pesquisando e pensando sobre e como falar. Relevo aqui que os meus vídeos são feitos tudo no improviso. Não desenvolvo linhas gerais ou um pré-roteiro. Mantenho a ideia inicial em mente e algumas outras coisas  e, á medida que vou falando, as ideias já vem em mente e vou construindo todo o meu argumento e opinião.




A idéia de fazer um canal no Youtube surgiu de pedidos e sugestões de amigos e colegas. Eu nunca fui ligada nessa onda de vlogs (ainda não sou) pois sempre preferi blogs. Mas graças ao incentivo de alguns, acabei aderindo a criar um canal por diversão e troca de idéias e não como algo sério mesmo.
Como não disponho de material profissional para fazer as coisas, utilizo mesmo a minha câmera do celular e faço, literalmente, um baita paranauê para improvisar um suporte/tripé/encosto para a câmera. Sério, eu ainda tiro uma foto desse aparato para vocês rirem XD.
O local que escolhi diante da minha estante de livros é um dos locais aqui no meu apartamento com melhor iluminação natural, já que meu celular tem câmera bem simplezinha (e porque o fundo com os livros e tal fica mais legal que uma parede sem nada).




Embora muitos considerem vlogs muito mais fáceis de manter do que blogs, eu ainda tenho uma predileção pelos blogs, mas reconheço que o vlog atrai muito mais público e retorno (pelo menos atualmente: eu já fui da era de ouro da blogsfera com meu antigo blog). Porém para mim, gravar um vídeo acaba sendo mais trabalhoso do que redigir um artigo no blog. Acho que isso acontece pelo fato de eu ter tido a idéia de utilizar um cosplay diferente á cada vídeo que faço. E para isso eu preciso fazer uma make básica mas razoável e também ajeitar os paranauês de suporte da câmera. Nos vídeos eu não utilizo a make certinha como utilizaria para um evento ou photoshoot. Faço um básico apenas para meu rosto não ficar tão pálido. Uma coisa engraçada que ocasionalmente ocorre nos meus vídeos são os sons.
Como gravo em casa e perto da varanda, mesmo com a porta fechada tem hora que passa carro na rua, cachorro do vizinho latindo, etc e tal..ou seja a sonoplastia desses vídeos fica incrível (só que não XD). Mas eu tento gravar sempre em horários que pareçam mais silenciosos, á fim de evitar algo do tipo. Muitas vezes tive que parar, esperar o barulho cessar então continuar gravando. Mas tem vez que fica um barulho ao fundo e não quero ter que gravar tudo de novo então eu deixo como está.





Já obtive um retorno super bacana com os vídeos. Galera comentando, dando sugestões, contando experiências,..isso tanto nos comentários do próprio canal quanto no link da postagem do vídeo que sempre faço no facebook quando atualizo. E também já teve vídeos que causou furor naquelas cujas carapuças serviram (heheh).
Eu não manjo de edição de vídeo nem nada do tipo...sei apenas o básico do básico no VideoMaker mesmo. Como o canal é um hobby e um meio para troca de idéias e opiniões, optei por deixar ele realmente descontraído. A edição pode ser simples mas procuro compensar no conteúdo. Até porque a ideia do tema do canal me surgiu ao ver que canais focados em situações do meio cosplay são praticamente inexistentes. O que se acha de cosplay normalmente são canais de tutoriais (make e acessórios) e achei que seria bacana poder falar sobre coisas comuns e presentes no meio cosplay nacional. E acaba sempre saindo algumas coisas engraçadas e verídicas XD.




Uma das coisas mais legais que tenho notado graças ao canal é ver que várias pessoas possuem opiniões semelhantes acerca da maioria dos temas abordados. Porque quem é cosplayer sabe como esse é um hobby delicioso mas ao mesmo tempo requer dedicação, foco...e que também é recheado das mais variadas tretas. Algumas pessoas já questionaram o tempo dos vídeos: alguns realmente ficam um pouco longos mas é que quando começo a dissertar sobre determinado assunto, acabo me empolgando e perco até mesmo a noção do tempo. Fora que existe tantas coisas possíveis e necessárias para se falar em determinado tema que ás vezes acabo estendendo um pouco. Mas estou tentando me monitorar quanto á isso rs.

Ao longo desse post vocês notaram as imagens. São as "capinhas" de cada vídeo que criei recentemente para o canal. Abaixo delas tem o link para assistir. Vocês podem ver a relação completa no final do post ou mesmo já acessando o canal no Youtube e se inscrevendo!




segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Zombie Walk SP



O Dia em que os Mortos Herdam a Terra

Há um dia em que os mortos herdam a terra e saem pelas ruas do centro da cidade em uma grande aglomeração, em um enxame de sangue, trapos e muito visual. Chocantes, bizarros, criativos...o que esse bando de pessoas está fazendo na rua durante um feriado vestidos assim? Simples; eles estão participando do Zombie Walk.
O ZOMBIE WALK é um evento que ocorre anualmente em diversas partes do mundo. Em São Paulo o evento teve sua estréia em 2006 e até hoje vem atraindo cada vez mais pessoas. A data escolhida para o evento em SP é sempre no Dia de Finados (02/11)

O Zombie Walk começou na Califórnia e depois passou a surgir em diversas partes do mundo. No Brasil, começou em SP em 2006 e posteriormente se alastrou para outros estados como Rio de Janeiro, Goiânia e etc. E também em cidades menores dentro de determinados estados. E isso está começando a surgir em outros lugares. Em SP inicialmente o evento era realizado na Avenida Paulista porém, devido ao aumento de pessoas e problemas com o trânsito, o local da passeata foi transferido para o centro de Sp que permite um espaço muito maior e sem tanto trânsito.



Necro/Spike e agora Leonardo XD
a pessoinha amiga que me levou na primeira vez ao ZW



Eu frequentei o Zombie Walk desde que ele começou a acontecer no centro de SP. O ano de 2015 foi o meu último ano de Zombie Walk e o motivo explicarei mais pra frente na postagem, pois quero salientar outros pontos do evento, bem como sua importância para mim. As fotos que ilustram essa postagem são em sua maioria de meu acervo pessoal compilado ao longo dos anos (como tenho várias fotos, fui selecionando apenas algumas) e outras são de autoria de fotógrafos (as que retratam a multidão eu peguei no Google e as minhas de cosplay pertencem á David Ernando e Roger William).

O Zombie Walk foi um evento que gostei muito nas vezes que fui, no qual me diverti muito com os amigos e amigas.  Foi também um evento importante para mim por motivos pessoais.
Nunca fiz um visual e uma maquiagem extremamente elaborada com a temática do evento. Nas primeiras vezes fui normal, só jogando um sanguinho falso básico. Depois comecei a ir de cosplay. E no ZW usei uma vez meu cosplay da Morte e duas vezes o meu cosplay de Rei Miyamoto (esse com grupinho em ambas vezes). Esse ano eu tinha programado usar o meu cosplay da Ada Wong de Resident Evil mas acabei desistindo de ir no evento.




Quando surgiu, o Zombie Walk causou uma certa estranheza nas pessoas, mas não demorou para que á cada ano mais pessoas  aderissem á passeata o que acabou tornando o evento enorme! As primeiras edições ocorreram na Avenida Paulista mas, com o aumento do público, bem como para facilitar o tráfego (já que rola bem no Dia de Finados), o Zombie Walk foi transferido para o centro de São Paulo. Eu achei a mudança excelente porque além do centro de SP ser melhor para caminhar, a estrutura com os prédios, pontes e etc bem no meio da cidade torna perfeito para aumentar a imagem de pós apocalipse zumbi.

Com o sucesso da passeata, começaram a surgir Zombie Walk em outros estados (assim como tem Zombie Walk em várias partes do mundo) fossem nas mesmas datas ou em datas diferentes. E isso é muito legal porque á cada ano pessoal se dedicava mais. O ZW de SP é o maior do Brasil, mas os outros não ficam atrás.

 Destaco aqui a edição de 2012 (quem foi sabe do que estou falando) que eu acho ter sido a MELHOR edição do evento. Como havia aquela onda de fim do mundo, galera veio em peso pro Zombie Walk e para qualquer direção que você olhava, tinha uma quantidade enorme de zumbis e demais criaturas. Eram visuais incríveis, tinha um cérebro inflável gigante  e até helicópteros passavam voando dando aquele clima bem Resident Evil e Walking Dead.
Na época do auge do ZW, muitas emissoras de TV iam cobrir o evento e as redes sociais bombavam de fotos da galera.

Participar do Zombie Walk era demais.

Foto da primeira vez que fui no ZW! 


Mas, mesmo o Zombie Walk sendo um evento do qual eu gostava muito e sempre me programava para ir, esse ano não fui e não pretendo ir mais. O motivo? Na verdade são vários. Os motivos que tenho são de cunho pessoal mas que muitas outras pessoas que conheço também pensam o mesmo. 

O Zombie Walk já foi bom.
Antes era muito legal ir ao evento, se produzir e se divertir por lá. Pessoal ficava de boas, curtindo o feriado de um jeito diferente, galera se reunia, conhecíamos novas pessoas. Isso, lógico, ainda acontece. Porém com o crescimento do evento, alguns problemas começaram a aparecer e  se tornarem mais visíveis, causando desconforto e preocupação nos frequentadores. Isso não é culpa de forma alguma dos organizadores. Os organizadores do ZW tiveram uma ideia excelente desde o início e foi algo bacana. O problema é que, de 2013 pra cá, o evento começou a apresentar alguns problemas incapazes de serem solucionados e isso não por culpa dos organizadores (jamais) mas sim por culpa das pessoas (tanto gente "de fora" quanto de alguns que participam da passeata). Não sei como é em outros estados,  mas relatarei aqui um pouco do que eu vi e do que eu ouvi (através de depoimentos de amigos e conhecidos).




Explicando: o Zombie Walk é um evento totalmente gratuito que ocorre no centro da cidade no feriado. Desse modo é IMPOSSÍVEL ter controle de qualquer coisa. Com o crescimento do evento e por ele ser no meio do centro de SP, a quantidade de gente é tal que sempre há unidades policiais para manter a segurança e etc. Mas claro que mesmo tendo a polícia, é impossível para se ter controle. Então o que acontece? Sempre teve, mas de uns tempos para cá a quantidade de bêbados  e drogados perambulando pelo local é imensa. E não são gente que participa da passeata: é gente aleatória que entra no meio de qualquer tipo de muvuca que vê.
Isso sem falar nos assaltos e furtos. Desde o ano retrasado eu tenho notado pessoas comentando sobre. Ano passado eu e meus amigos fomos abordados por alguns moleques trombadinhas que estavam loucos para nos assaltar/furtar e acho que só não o fizeram porque estávamos em um grupo grande. Esse ano, não fui no evento, mas vi relatos de pessoas próximas dizendo sobre o aumento da quantidade desses bandidos.

Ainda esse ano, vi relatos de pessoas dizendo que havia gente ali usando facas, facões e demais armas brancas de verdade para o evento. Claro, como é um evento aberto não tem como haver segurança então o povo aproveita. Um cosplayer relatou que as pessoas vinham tirar foto apontando pra ele tais armas brancas. Parece que até alguns frequentadores perderam a noção em querer levar armas de verdade pro local.
Há ainda a questão de relatos de assédio. Claro, vem um monte de bêbado/drogado, vê uma moça bonita com uma fantasia ou cosplay e se acha no direito de abordar, abraçar e o que for. Ouvi diversos relatos sobre isso e também de rapazes acerca de pessoas aleatórias enchendo o saco ou vindo com intimidade.




Há quem diga que  isso seja normal, que acontece nas grandes cidade, que tem que tomar cuidado e etc. Pode até ser mas é muito desconfortável você ir em um evento para se divertir e ficar o tempo todo preocupado se será assaltado, assediado ou até mesmo ferido por conta da atitude de gente babaca que só por ser algo gratuito fica querendo estragar o divertimento alheio e manchar um evento que se tornou um marco de SP.

Quando surgiu, o Zombie Walk era uma passeata. Saiam do ponto marcado (na Praça do Patriarca) no horário previsto e se dava uma volta nas imediações, passando pelo Viaduto do Chá, Largo São Bento, Teatro Municipal, etc. Porém, com o aumento de frequentadores, a passeata acabou meio que se desfazendo nos últimos anos. Havia concentração de pessoas em diversos pontos e a passeata ficava meio "sumida". Mas mesmo que não houvesse a passeata, a concentração de pessoas com seus visuais super criativos e ousados sempre foi o melhor do evento. 


 

É uma pena vermos que, por conta de alguns sem noção (que infelizmente aumentam á cada dia) muitas pessoas que curtiam o evento estejam deixando de frequentá-lo. O Zombie Walk parece estar sendo fadado a se tornar um evento como a Virada Cultural: até uns poucos anos atrás, a Virada Cultural era legal de se ir, tinha toda uma quantidade de pessoas...mas atualmente a Virada Cultural é um amontoado de pessoas que atrai uma quantidade colossal de bêbados, drogados, assaltantes e assediadores. E isso faz com que as pessoas que queiram frequentar o evento para realmente curtí-lo não consigam porque precisam ficar o tempo todo atentos á tudo ao seu redor. E é muito desagradável quando você precisa ficar aturando um bêbado chato, uma encheção de saco, uma abordagem ofensiva ou até mesmo ser vítima de um crime só por ir em um lugar no qual você queria apenas se divertir com algo que gosta.

Enfim, o Zombie Walk foi para mim um evento marcante, do qual tenho excelentes lembranças. Me diverti muito nele, peguei o auge do evento, sua melhor época. Espero que um dia ele torne voltar a ser o que foi. Ainda é legal ir? Bom, muitas pessoas que conheço relataram que se divertiram no evento então sim, eu acho que ainda vale á pena ir, principalmente se você nunca foi.

Mas para mim e para tantas outras pessoas, o evento já não é mais o que outrora foi e os problemas que acabam surgindo e do risco de passar por algo estressante por culpa de gente sem noção, acabam desmotivando e nos fazendo desistir de frequentar. O que é uma pena.
Mas o que me conforta é que pelo menos eu me diverti muito nos anos em que fui no Zombie Walk e isso jamais vou esquecer.




~*~