terça-feira, 20 de setembro de 2016

Cowboy Bebop


See your space, cowboy... 


Talvez uma das séries mais criativas e simpáticas dos últimos tempos, Cowboy Bebop foi  dirigido por Shinichiro Watanabe e escrito por Keiko Nobumoto, produzido em 1998 pelo estúdio Ninpon Sunrise. Contando com 26 episódios e um movie alternativo, a série ganhou posteriormente alguns volumes em mangá (desenhado por Yutaka Nanten) contendo histórias que se passam antes do  desfecho da série.

Cowby Bebop consagrou-se por conter um enredo que mescla os mais diversos gêneros brindados com uma excelente e deliciosa trilha sonora de jazz, blues e classic rock. Sem dúvida uma das melhores trilhas sonoras de anime constam nessa obra.

Á principio, Cowboy Bebop parece ter um enredo meio absurdo e futurista e é assim mesmo, por isso é tão bom. A série reúne faroeste com ficção científica, drama com comédia, machismo com feminismo, complexidade com banalidade, anseios com tragédias...tudo resultando em um anime inventivo, ousado e marcante.

Na trama, somos transportado para um futuro no qual a humanidade possui colônias e grandes cidades em diversos lugares do universo - sejam planetas, satélites ou até mesmo bases interplanetárias. Isso porque após um incidente, a Terra ficou praticamente inabitável e a humanidade precisou evoluir e consolidar-se em outros lugares. Assim, as naves espaciais se tornaram os meios de transporte mais eficazes, sendo algo tão comum quanto carros e aviões.

A bordo da gigantesca e maltrapilha nave conhecida como Bebop, conheceos Spike Spiegel; um cara magro, de olhar estranho, que anda curvado e parece estar sempre com fome. Ele segue uma viajem sem rumo com seu amigo Jet Black - um homem forte, com cara de mau e uma braço mecânico cujo maior hobby é cozinhar e cuidar de seus bonsai.


Ambos são caçadores de recompensa - pessoas que estão sempre atrás de criminosos para captura-los, entregá-los ás autoridades e receber um pagamento por isso. Para ficarem sempre atentos aos criminosos, os caçadores de recompensa contam com um programa de tv com temática faroeste que mostra diariamente determinados meliantes e cujos apresentadores sempre dão sua opinião pessoal.

É durante sua viajem e caça de criminosos que Spike e Jet se deparam com a sensual Faye Valentine - uma jovem ousada, interesseira e totalmente obcecada por dinheiro e apostas. Mesmo á contragosto, da dupla e devido á certos contratempos, Faye acaba ficando na Bebop ajudando na caçada aos criminosos para receber uma parte dos lucros. Como se não bastasse ter uma folgada á bordo, eles acabam encontrando uma estranha criança de nome Ed (cujo sexo até hoje não foi bem definido) que, apesar de todasw as inúmeras esquisitices (ela está sempre descalça e se arrastando pelo chão), é uma incrível hacker com um óbvio problema mental. E, claro, não podemos esquecer do mascote, Ein. Um cãozinho fofo que na verdade é um experimento científico super inteligente que vale milhões - mas ninguém sabe disso.

Na maior parte da série acompanhamos o cotidiano dos tripulantes da Bebop em suas buscas por dinheiro. Cmo caçadores de recompensa, eles estão sempre se metendo com os criminosos mais variados existentes no espaço sideral. E claro que isso gera muita ação, grandes perseguições, batalhas mno á mano (o estilo de luta de Spike, o Jet-Kune-Do é o estilo de luta criado por Bruce Lee) e doses que mesclam drama e humor nos momentos certos.

Mas, a despeito de toda a ação empolgante, talvez o mais interessante em Cowboy Bebop seja acompanharmos a convivência de seus personagens. Todos são muito diferentes entre si, vivendo em constante atrito. Porém, ao mesmo tempo que dizem não se importar um com o outro, vemos que é o contrário e mesmo que não admitam, se consideram mais do que amigos: uma família. E a razão para isso é simples: todos são sozinhos e não possuem um lugar para  voltar que não seja a nave Bebop.


E, das picuinhas e diferenças, surge companherismo. Todos os quatro (cinco, se contarmos Ein) possuem um passado o qual escondem. Seja Jet Black por ter sido o policial conhecido como "Black Dog", seja Faye por ter sido congelada por mais de 50 anos e despertar sem lembrar de nada...até Ed possui um histórico. Mas claro que a história mais interessante é a de Spike.

Durante a série, vamos descobrindo fragmentos do passado ao qual ele abandonou, mas nunca foi capaz de esquecer. Membro de uma organização de assassinos conhecida como Red Dragon, Spike ocasionalmente se depara com seu inimigo (e outrora parceiro) de trabalho: Vicious. Ainda á serviço da Redc Dragon, Vicious é literalmente o mensageiro da morte, com seu pássaro negro nos ombros, uma katana e o desejo de matar Spike.

As razões que levam Vicious e a Red Dragon a perseguir Spike são desconhecidos mas tudo parece ter conexão com a mulher que constantemente surge nas lembranças de Spike: a bela e misteriosa Júlia. Quais os objetivos da Red Dragon e a forte conexão entre o triângulo Vicious, - Júlia - Spike, bem como os sentimentos e razões da enigmática mulher são revelados apenas nos capítulos finais. O final então, é particularmente um dos melhores já existentes em animes.

Desde as lembranças de Spike e Júlia e seus destinos, a fábula do gato sobre o amor e o combate fantástico entre Vicious e Spike no último ato, reproduzem um clássico digno das obras Noir. São poucos os animes cujo desfecho conseguem ser tão definitivos, originais e belamente inevitáveis quanto este.



A fórmula de Cowboy Bebop jamais foi reutilizada, pois é única. Só memso Cowboy Bebop ´para fazer referências á tantos clássicos musicais e filmes memoráveis, como se o anime pagasse um tributo á obras de ficção científica (em cenas que nos remetem á 2001- Uma Odisséia no Espaço e um divertido capítulo baseado em Alien -  Oitavo Passageiro). Sem esquecer, claro, das referências de enredos á filmes de gãngster, lutas e gênero Noir.

Aliás, é no gênero Noir que  reside as melhores partes do anime: todos nós desejamos saber mais sobre a relação de Spike com a misteriosa Júlia e como Vicious se encaixa nisso.

Cowboy Bebop é simplesmente fenomenal, uma mescla de todos os estilos, uma hisrtória cotidiana de conteúdo, com personagens vivos e um foco multidimensional que matém o espectador atento até o final. Se você procura por um anime divertido, interessante e que ainda assim seja original, memso se você não for adepto de animes, Cowboy Bebop nunca irá te decepcionar.




Minha contribuição em homenagem á essa obra: meu cosplay de Julia:

  


~*~

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Cosplay - CHAT NOIR - Miraculous Ladybug



Aqui, postarei as fotos do meu cosplay e também comentários que eu ache interessante registrar. Seja sobre o personagem, sobre como consegui meu cosplay, o retorno que me trouxe e o que mais eu considerar relevante.


O Personagem na Série:
Chat Noir é a identidade  secreta que o jovem Adrien Agreste utiliza para combater os inimigos sob influência do misterioso Howkmoth. Ele é o parceiro da heroína Ladybug e não esconde ser apaixonado por ela. Mal sabe ele que sua musa é na verdade a jovem Marinette que é apaixonada por ele mas ele parece quase não notar. Marinette em contrapartida, é apaixonada por Adrien mas vive dando foras em seu parceiro ChatNoir, mal sabendo ela que o garoto é sua paixão.
Adrien é um garoto rico, com o pai sendo detentor de uma poderosa empresa que o faz dar pouca atenção ao filho, que trabalha também como modelo fotográfico, tendo uma grande legião de fãs adolescentes. Adrien embora tenha uma vida de luxo, é um rapaz sensível, gentil, educado e um pouco quieto. Mas como ChatNoir, ele se torna desnibido, divertido e até um pouco ordinário. Como se, como Adrien, ele fosse obrigado a esconder o que realmente é e o que realmente gosta.




A primeira vez que vi o ChatNoir já gostei do personagem. Afinal, era um garoto metido em um colant com orelhas de gatinho!  Eu conheci a obra através de uma amiga e logo descobri que a série estava fazendo um notável sucesso. Confesso que assisti apenas alguns episódios porque embora a animação seja legal e os personagens uma graça, o enredo da trama é muitas vezes meio padrão e repetitivo. Existe capítulos ótimos principalmente quando foca mais nos personagens e seus conflitos mas a parte dos inimigos meio que seguem padrão que me desmotivou um pouco a continuar.  Mas isso não significa que a obra é ruim, de modo algum. É divertido e cumpre muito bem o que é esperado dele.
Miraculous Ladybug é um dos grandes sucessos atualmente, principalmente entre as meninas. Já está no comércio uma imensa variedade de produtos da obra e o fandoom na internet cresce á cada dia (e com ele, inúmeros cosplays incríveis).




Embora eu tenha gostado do personagem, o incentivo de fazer o cosplay veio mesmo á pedido de minha amiga Hime. Não demorou para que outras amigas incentivassem eu a fazer o Chat Noir. Como eu já tinha boa parte do que seria necessário para montar o cosplay, por mim foi de boas. Mas deixei elas avisadas: só faria o Chat se eu pudesse soltar toda a minha viadage com a graça de Inês Brasil e me tornar o Panterão do Amô. 

Elas aprovaram e então fiz o cosplay. E o retorno só na prévia e no primeiro vídeo de zoeira, foi super bacana. Primeiramente fiz umas fotos e vídeos em casa com o cosplay não finalizado, mas em companhia da minha amiga Hime pra zoeira. Fui estrear oficialmente o cosplay no evento JundComics e no mesmo dia aproveitei para realizar um photoshoot em dupla com minha amiga Yara. E as fotos ficaram lindas!!! Amei demais o resultado!




Fazer a dupla de Ladybug e ChatNoir com minha amiga Yara foi incrível e muito divertido. Essa é uma dupla que quero muito usar em algum evento maior, porque o cosplay é super prático de usar. Tanto nas poses quanto na zoeira (desculpa Yara, mas eu tinha que bancar o panterão do amô pra cima de você hehehe) eu não tive muitos problemas em incorporar o ChatNoir até porque a personalidade mais cômica  dele é um tipo que gosto bastante e por causa do fato de ser um garoto de collant com roupas de gatinho é super divertido fazê-lo.

Agradeço desde já os elogios e incentivos de várias pessoas para com esse cosplay e também acerca das fotos do photoshoot. Não sei se usarei o ChatNoir novamente este ano, mas ano que vem é certeza que irei usá-lo! Quem sabe eu até consigo um harém de Ladybugs? XD




Talvez a minha maior dificuldade em fazer esse cosplay foi conseguir achatar os meus seios para não ficarem muito salientes no collant. Afinal, collant demarca pra caramba. Inclusive eu fiquei um Chat Noir bem saliente em termos de quadril, bunda e coxa (huehuehuehuehuehue) mas quanto aos seios ue precisei fazer uns paranauês para conseguir ocultá-los de uma forma eficaz. E até que deu certo! Embora em alguns casos foi preciso descobrir como se posicionar na foto de um jeito que não aparecesse (afinal, o panterão do amô não tem peitos!)

As orelhas eu importei e elas são super fofas e macias. Já a máscara eu optei pela máscara simples de courino porque a de plástico não modulava o rosto de forma eficaz e era um pouco desconfortável para usar (máscara já é meio chatinho de usar). Não fiz um acabamento nos olhos dele porque não uso lentes e mesmo tentando fazer uma "lente" verde na máscara ela se tornou bem ruim de usar e não mostrava direito os olhos na foto. Mas no fim acredito que isso não comprometeu a diversão e tampouco o resultado final nas fotos.


the Panterão do Amô is comming


Através do cosplay de ChatNoir eu pude testar alguns acessórios para o cosplay que eu mesma fiz e improvisei. Foram coisas simples como o anel e o guizo, mas foi bacana ver que o resultado que eu tinha em mente deu certo. Ainda existe alguns detalhes no cosplay que pretendo melhorar e quem sabe futuramente eu faça um photoshoot apenas do ChatNoir. O bom é que material para referência tem aos montes, o que facilita bastante. XD.

Como esse é um cosplay novo meu, não tenho ainda uma "evolução" dele pois da primeira prévia até o resultado atual, tive de mudar poucas coisas. No ensaio não utilizei um cinto especial que fiz que será útil quando for usar o cosplay em um evento maior. O bastão eu peguei uma parte do bastão de Gambit do meu namorado afinal, quando se é possível reaproveitar algum acessório cosplay, temos mais que reaproveitar para economizar!



Abaixo tem o primeiro vídeo de ChatNoir que eu fiz só por diversão baseado no famoso Grito da Pantera da Inês Brasil XD. Foi em um dia de completa flata do que fazer possuída pelo espírito ragatanga XD. Esse vídeo me condena...


video
vídeo de zoeira com o Panterão do Amô


Ao longo dessa postagem, vocês puderam conferir as fotos do photoshoot que realizei. Tenho várias outras fotos mas preferi não atulhar a postagem de imagens para não ficar muito extenso. Mas aos poucos no blog pretendo ir postando as demais fotos esporadicamente.
Algumas pessoas disseram que meu Chat Noir não ficou fofo e sim ordinário. Bom, não vou negar. Não consigo fazer personagens fofos e também..como é possível ficar fofo quando você está incorporando  um garoto adolescente que usa um collant com orelhas de gatinho?


Como todo gato,Chat Noir gosta de um chamego

Enfim, eu simplesmente adorei fazer o cosplay do ChatNoir e é algo que quero repetir mais vezes!
Quem sabe eu até consigo um harém de ladybugs para o meu ChatNoir dar um grito de fangirl? XD.
Fico até surpresa do cosplay ter se tornado um dos mais divertidos de se fazer. Espero poder usá-lo novamente logo para causar de Panterão do Amô!



Fotos by

Julio Montheiro
Roger William
David Ernando



~*~