segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Anime - MONSTER




"Vi, então, levantar-se do mar uma Fera que tinha dez chifres e sete cabeças; sobre os chifres, dez diademas; e nas suas cabeças, nomes blasfematórios. A Fera que eu vi era semelhante a uma pantera: os pés como os de urso e as faces como as de leão. Deu-lhe o Dragão o seu poder, o seu trono e a sua autoridade. Uma das suas cabeças estava como que ferida de morte, mas essa ferida de morte fora curada. E todos, pasmados de admiração, seguiram a Fera e prostaram-se diante do Dragão, porque dera o seu prestígio à Fera, e prostaram-se igualmente diante da Fera, dizendo: “Quem é semelhante Fera e quem poderá lutar com ela?”
**passagem bíblica referente á chegada do AntiCristo**

Uma das obras mais sofisticadas e complexas já desenvolvidas em mangá e anime, Monster irá mudar para sempre seu conceito sobre quadrinhos e animação japonesa.

Criado por Naoki Urasawa, Monster é uma obra seinen (gênero de mangás direcionado ao público adulto masculino) iniciado em 1994 e finalizado em meados de 2001. O mangá conta com 18 volumes (no Brasil foram publicados alguns volumes pela editora Conrad - que suspendeu a publicação devido á falência da editora. Mas o mangá voltou a ser publicado, desde o início e na íntegra pela editora Panini, tendo uma qualidade excelente) e uma excelente série em anime com 74 episódios produzida pelo conceituado estúdio Mad House e tendo a caracterização feita por Kitaro Kosaka.

Tanto o mangá quanto o anime seguem a mesma linha, acontecimentos, informações e desfecho. O anime, porém, conta com capítulos que não possuem conexão direta com o enredo principal, mas possuem ligações com o mesmo.

Monster é algo totalmente diferente do que estamos habituados em ver nos animes - de verdade. É tão realista em personagens, cenários e fatos históricos que em certos momentos acreditamos estar assistindo á uma série policial com atores de carne e osso. Não há nessa obra espaço para clichês, romances açucarados, otimismos, lições de moral e coisas do tipo. Não há cenas de humor, tampouco expressões comuns em animes. Monster é uma obra focada no psicológico, um suspense capaz de intrigar e nos envolver de uma forma anormal. É absurdamente real e tangível, com personagens convicentes em suas personalidades e motivações.

O enredo se passa na Alemanha, tendo início no ano de 1986. Nessa época (e um pouco antes - através de flash-backs e depoimentos ao longo da trama) houve a queda do Muro de Berlim que tornou a unificar a Alemanha Oriental e Ocidental e os fantasmas do nazismo ainda eram presentes. E, como toda guerra, suas consequências sempre estariam presentes, tomando novas formas.

E é com base nisso e uma árdua pesquisa (tanto em termos de cronologia histórica e tendências sociais quanto na réplica de cenários e detalhes de cidades) realizada de forma impecável que Naoki Urasawa conduz o seu Monster.



A história se inicia oficialmente no hospital Memorial Eisler, em Dusseldorf. O doutor Kenzou Tenma é um jovem neurocirurgião muito talentoso, íntegro, dedicado e noivo da filha do presidente do hospital, tendo assim tudo para um futuro promissor. Tenma ama sua profissão, sendo um médico muito requisitado para realizar cirurgias de alto risco. E, por ordens do presidente da instituição, ele sempre era obrigado a priorizar os pacientes de "maior importância" para aumentar o status do hospital perante a mídia. Tenma era contra esse sistema, mas via-se obrigado a cumprí-lo se quisesse continuar na equipe de neurocirurgia. Até aquele incidente acontecer.

Um crime hediondo ocorre na mansão Liebert. Os pais foram assassinados, o assassino fugira sem deixar rastros e, em um quarto os policiais encontram um casal de crianças gêmeas. A menina em completo estado de choque e, aos seus pés, um garoto em coma por levar um tiro na testa.

Prontamente as crianças são levadas aos hospital Eisler e Tenma se preparava para realizar a cirurgia que salvaria a vida do garoto quando recebeu a ordem de operar o prefeito que acabara de sofrer um derrame. Dessa vez, honrando sua ética médica, Tenma opta por operar o garoto, deixando o político nas mãos de outra equipe.

A operação do garoto é concluída com êxito porém, o prefeito falece. E começa o inferno na vida do dr. Tenma. O presidente do hospital o acusa de ter desobedecido uma ordem e manchado a reputação do hospital. Aturdido, Tenma desabafa com sua noiva e ela, em vez de ajudá-lo, o critica e despreza. E Tenma conclui que suas chances profissionais acabaram.

Subitamente as crianças gêmeas fogem do hospital e logo em seguida os diretores e o presidente do hospital são assassinados de forma misteriosa e, mesmo sendo suspeito dos assassinatos, Tenma acaba por se tronar o cirurgião-chefe.

Quase dez anos se passam e Tenma descobre, de forma chocante, que o garoto que salvara a vida se tornou um serial killer frio, manipulador e totalmente desconhecido. E ele ainda admite, em um encontro perturbador, que é muito grato á Tenma por ter lhe salvado a vida e, como agradecimento, ele matou todas as pessoas que prejudicaram o médico, o fazendo tornar-se cirurgião-chefe. O rapaz então revela seu nome: Johann Liebert, desaparecendo então sem deixar rastros.



Acuado por mais um assassinato cometido por Johann, Tenma passa a ser considerado um assassino em série e se vê obrigado a fugir na tentativa de provar sua inocência. Para conseguir isso ele precisa encontrar provas de que Johann realmente existe e é o responsável pelos crimes.
Mas isso não será simples. E, á medida que Tenma procura por informações e indícios de Johann, passa a descobrir algo muito mais assustador e perigoso do que poderia imaginar.

 Monster aborda a situação político-social da Alemanha na época em que se passa a história.
Mesclando temas como experiências nazistas, busca pelo poder, marcas de guerra, unificação alemã e orfanatos sinistramente misteriosos, Naoki Urasawa desenvolveu um enredo intrigante.

Monster é violento, mas não de forma física. Não há banhos de sangue e cenas apelativas. Sua violência é sutil, profundamente psicológica. Todos os personagens - sejam eles protagonistas, coadjuvantes ou até mesmo figurantes - são humanos e chegamos a nos identificar com seus problemas e razões. Porém, os protagonistas se revelam pessoas perturbadas mentalmente. Altamente perturbadas. Na demonstração da teoria de que existe um monstro dentro de cada um de nós.

Esta é uma obra que, mesmo sendo um pouco longa, em nenhum momento se torna extenuante. Porque seu roteiro é único. Em cada episódio observamos os personagens em suas buscas por respostas, vingança, interesse, anseio. E sem que percebemos, já estamos envolvidos. Á medida que questões são respondidas e guardadas como informações, novos mistérios surgem, revelando uma rede ainnda mais perigosa e complexa e isso por causa única e exclusivamente de Johann.

Ah, Johann Liebert, o monstro do título. Por mais que torcemos e nos identifiquemos com Tenma, admiremos a gêmea Ana (que sofrendo de amnésia adere a identidade de Nina), fiquemos confusos com a presença da ex-noiva de Tenma, Eva, nos interessemos pelo misterioso Grimmer e nos surpreendemos com a frieza analítica do detetive da BKA, Lunge (que mete mais medo do que qualquer outro personagem), nada se compara á sensação que sentimos perante Johann.

Johann é único. Um psicopata genuíno. Com sua aparência angelical e apática, voz doce e desprovido de qualquer traço emocional, é um eterno enigma, um perfeito resultado experimental. Não é um assassino sórdido, ele simplesmente não sente nada ao matar, não sofre de distúrbios estereotipados padrão de serial killer ficcional. É autêntico de forma assustadora - real e ilusório ao mesmo tempo. Jovem, agraciado com uma habilidade discursiva incomparável ele consegue obter a devoção de qualquer pessoa que desejar - sem excessões. E, por ele, as pessoas são capazes de matar.


Johann Liebert...sim, ele é m autêntico psicopata.

Mesmo que sejam criminosos, oficiais, civis ou até crianças, Johann é capaz de, com simples conversas, descobrir os segredos, medos e anseios de cada pessoa, usando então para seu benefício. Inteligente e incógnito, Johann parece sempre inatingível. É impossível não focarmos nossa atenção em Johann quando ele aparece - seu poder parece atrair todos, inclusive o espectador.

Tão intrigante quanto Johann é a ligação dele com sua irmã gêmea, Ana. Ela é a única que parece importar ao rapaz. E Ana se vê lançada novamente ao pesadelo, tendo que se recordar de terríveis e lembranças na tentativa de compreender e recordar-se de coisas que não gostaria. E Tenma, vítima das consequências indiretas de seus atos, junta culpa e vingança. A morte de Johann é o que ele busca mas no caminho existe pessoas que veem Johann como um líder sem igual.

Contar pontos essenciais para se fazer um bom artigo sobre Monster seria entregar informações valiosas sobre o enredo. É o suspense psicológico, o choque das descobertas, a necessidade absurda de respostas, pensar em razões e traçar toda uma linha de raciocínio com base em fatos que tornam essa obra incrível. É uma história policial focada na complexidade da mente humana e seus cotidianos, com um enredo que nos deixa perturbados e ansiosos.


os gêmeos Johann e Ana

Monster é incomparável. Diferente, original, perturbador, viciante. A trilha sonora traduz as sensações ao longo dos episódios e o clima soturno e realista torna tudo tangível. É real e ficcional ao mesmo tempo. Feito para pensar, feito para chocar. Certamente apenas aqueles que sabem identificar uma obra fenomenal entenderão a complexidade psicológica de Monster.

Mais do que recomendado, MONSTER é impossível de ser explicado em uma única análise. Portanto, assista, intrigue-se, pense e vislumbre uma das melhores obras já desenvolvidas.


Eu como Johan Liebert


~*~

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

The Rains of Castamere


Meus bonequinhos Lannisters
Jamie - Cersei - Joffrey - Tyrion - Tywinn



Como todos sabem, eu sou fã de Game of Thornes e mais ainda fã da família Lannister.
Na obra, os Lannister são a Casa mais rica, influente e poderosa de Westeros. Chegaram ao ápice do poder depois dea queda da família Targaryen mas, mesmo quando os Targaryen estavam no poder, eram os Lannisters quem detinham o maior poder bélico e financeiro.

Os Lannister possuem dois lemas: Hear me Roar (Ouça-me Rugir) é o lema oficial da Casa. Entretanto entre as pessoas o lema mais difundido foi  A Lannister Always Pays His Debts (Um Lannister sempre paga as suas dívidas.).
Ser um Lannister é ter status.
As cores da casa são o vermelho e o dourado, simbolos de riqueza e poder, fortificados pela imagem do leão.


Aqui a versão original da música com a sua tradução


THE RAINS OF CASTAMERE é a canção da família Lannister. A letra da canção se refere á um ocorrido (de forma poética para mascarar o real acontecimento) no palácio de Castamere. O "Senhor de Castamere", é o todo-poderoso Tywinn Lannister.
Para mim, este sempre será o personagem mais foda de toda a série Game of Thornes.

Eu sou realmente apaixonada por essa canção. Em todas as versões dessa música reproduzidas por fãs talentosos,  ela evoca uma sensação de poder, tragédia, soberania e miticismo. É literalmente, inebriante.

Selecionei aqui algumas versões que gostei muito. Ás vezes tenho vontade de tocar essa música em algum momento bem importante da minha vida, mas daí lembro do Casamento Vermelho de GOT...mas um dia,..um dia,.ainda uso essa música em algo importante afinal...aqui está uma LANNISTER!



Pelo grupo Sigur Rós
(tocada no iníco da quarta temporada da série)


No violoncelo pela talentosa Tina Guo



Com a sombriedade de Juan The Beast


Versão Metal pelo fantástico MeetsMetal


Inebriante e suave na voz de Karliene



Com o apaixonante casal Peter Holens e Taylor Davis



Versão Original Instrumental


E aí, o que acharam?

~*~

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Planejamento Semanal



Eu de Raito Yagami (Death Note)
Essa foto ilustra bem eu fazendo o planejamento semanal...


Eu desenvolvi um hábito mais ou menos eficaz para conseguir concluir ou pelo menos agilizar todas as coisas de meus projetos que tenho para fazer.
Como acabo esquecendo com facilidade ou me distraindo com outras coisas, a idéia de fazer listas e ir anotando tudo que acho necessário acaba sendo muito útil.

O problema é que tenho o hábito e a tendência a me sobrecarregar com os afazeres que gosto e tenho por hobby. E isso termina no fato que fico desesperada com um monte de coisa pendente até porque o fantasma da procrastinação adora me sondar e tentar me dominar.
Eu procuro conciliar as ocisas com meu trabalho e vida social. Então faço sempre uma lista semanal com anotações diárias para tentar conlcluir o máximo possível e poder dormir sem culpa XD.
Alguns itens dessa lista são sempre fixos. Sejam eles coisas grandes ou pequenas, eu anoto.

Eu andei precisando me limitar e deletar certas coisas temporariamente porque não conseguiria fazer tudo e precisava ceder espaço para coisas que foram surgindo e precisarie priorizar por conta do retorno ser maior.
No momento os meus maiores focos (semanais/diários) relacionados aos meus hobbys é:


Minha agenda onde anoto as listas.


- ATUALIZAR MINHAS PAGES -  Pelo Facebok tenho 3 (a minha pessoal, a da minha Tropa de SNK e a exclusiva do Cruello), o meu World Cosplay e o meu Deviantart.
Essas eu costumo atualizar quase que diariamente ou no máximo de 3 em 3 dias. Ás vezes acabo passando, mas isso é devido á correria. Parece ser rápido atualizar, pois é sóp ostar fotos mas não..não é tão simples assim XD. TRem que selecionar a foto, retribuir os likes, etc etc...

- MEUS COSPLAYS - Eu estou sempre vendo coisas para os meus cosplays ou projetos futuros. É navegando em sites para comprar as coisas, é pesquisando os próximos projetos, ajudando amigos a escolherem cosplays (sugiro e fico argumentando até convencer em determinados casos =p), é verificando nos meus prontos onde precisa de algum ajuste e o que falta pra terminar determinado cosplay.
Recentemente comecei a mexer com EVA e estou gostando muito disso! Então aos poucos vou sempre tentando fazer algum acessório. Asim é mais anotação do que tenho de comprar e tentando encontrar referências de algo que eu queira tentar moldar.

MEU YOUTUBE - Comecei a fazer um canal dando algumas dicas de cosplay. É algo bem amador mas isso me toma um tempo lazarento quando preciso fazer porque sempre faço o vídeo usando algum cosplay. E depois tem o tempo milindroso para upar o vídeo (aindabem que nem faço edição...)

AS FANFICS - Eu sou uma pessoa muito criativa para ter idéias para histórias. Mas ser criativa para isso não quer dizer que eu seja rápida para colocar isso em palavras e digitar.  Sou uma procrastinadora nata. Parei novamente um projeto Original para focar na fanfic do Cruello e na fanfic Disney High e, embora eu tenha intenção de retomar uma antiga fanfic e iniciar um novo projetinho original com uma amiga, estou me controlando fortemente para fazer apenas as duas primeiras fanfics citadas. Porque escrever mais do que isso não vou conseguir.
E ébem chatinho ter que revisar e formatar tudo para postar nos sites de fanfics.

LEITURA E ESTUDO - Vocês não fazem idéia de quantidade de livros que eu tenho na minha lista para ler.  E com a correria tudo fica atrasado. Seja na leitura com os livros, seja na leitura de blogs interessantes que sigo, seja de cursinhos online e apostilas sobre coisas  que gosto de aprender. E a tendência é aumentar.

FILMES/SÉRIES/ANIMES - Imaginem a grande quantidade de coisas para ler que eu tenho e triplique com a quantidade de coisas que tenho pra assistir. É, isso mesmo. É tanta coisa que eu não sei quando na minha vida vou dar conta disso. Não quero nem pensar...

VIDA SOCIAL NA REDE SOCIAL - Porque né..tenho que manter contato com o povo pra trocar idéias, planejar as coisas, jogar conversa fora. Eu gostaria de conversar com mais gente mas não consigo fazer isso em um único dia então procuro tentar ir intercalando (mas tem gente que tem exclusividade e converso todo dia u_u)

CUIDAR DO BLOG - Né..eu reslvi fazer um novo blog então tenho que cuidar disso aqui. XD


Minha reação quando vejo o tanto de coisa pra fazer.


Enfim..esse post foi só um pequeno desabafo para caso eu demore em fazer uma dessas coisas é porque estou tentando agilizar outras. E eu não deixo de ir curtir um rolê com os amigos, um evento cosplay ou um findis com o namorado para fazer essas coisas. Porque sou um ser humano normal. XD.

~*~


....estou cogitando a possibilidade de voltar á jogar Pokémon...,....to ferrada com o tanto de coisa pra fazer....socorro =p.



sexta-feira, 11 de setembro de 2015

COSPLAY - Levi Rivaille - Shingeki no Kyojin



Aqui, postarei as fotos do meu cosplay e também comentários que eu ache interessante registrar. Seja sobre o personagem, sobre como consegui meu cosplay, o retorno que me trouxe e o que mais eu considerar relevante.
o personagem


O Personagem na Série:
Levi é um dos principais personagens da obra Shingeki no Kyojin (Attack on Titan em inglês) de autoria de Hajime Isayama. Em um mundo dominado por titãs que devoram pessoas, a humanidade ergueu gigantescas muralhas ao redor das últimas cidades existentes e desenvolveu armas e um equipamento especial para lutar contra os titãs pela sobrevivência.
  Levi é considerado o Soldado mais Forte da Humanidade. Suas habilidades de batalha, manejo de espadas e manobras com o equipamento de combate 3DMT é fantástica. Dotado de grande velocidade, frieza e reflexos rápidos, ele tem um talento nato.


Me as Levi

É um personagem sério, responsável, autoritário, agressivo, arrogante, irônico e  maníaco por limpeza. Mas, por trás de toda essa postura, Levi é uma pessoa honrada e protetora. Ele tem sentimentos (talvez até demais) mas, por conta de todas as perdas que sofreu e (ainda sofre) além de sua posição como cabo/capitão ele precisa ocultar tudo o que sente e manter uma posição firme e decidida para seus subordinados. Afinal, para enfrentar os titãs não se pode fraquejar e cada batalha é uma luta assustadora pela vida.
Se quiserem saber mais sobre o Levi e a obra Shingeki no Kyojin (que eu super recomendo), cliquem aqui.


Derrotando o titã colossal.

(o titã morreu de tanta delicia) 



O Levi é o cosplay do qual eu mais me orgulho. Porque ele me trouxe diversas coisas positivas. Foi um cosplay que me marcou muito, que me fez aprender muitas coisas, que me fez encarar um desafio como cosplayer e que marcou um momento de transição social muito importante na minha vida.


Só eu sei o quanto de horas que eu passei treinando a maquiagem para o personagem : inúmeros erros e acertos, sempre procurando aperfeiçoar e tornar a maquiagem mais prática. Antes se eu demorava uma hora e meia para fazer a maquiagem, hoje faço em 40 minutos. Sim, eu demoro na maquiagem mesmo XD.



Incorporar o personagem foi mais fácil. Gosto de cosplayar personagens parrudos e agressivos pois isso é um pouco da minha personalidade. E realmente adoro ser o Levi. É aquele tipo de cosplay que mesmo sendo trabalhoso, dá muito gosto de usar!

E por falar em trabalho, além da maquiagem do Levi ser mais demorada, os cosplays de SNK ainda precisam lidar com as malditas cintas que envolvem o corpo. Maldita hora em que o desenhista teve idéia de colocar essas bagaças. Pode ficar bonita no resultado final mas é super cansativo e estressante de colocar. É confuso e eu cheguei a perder um conjunto dessas cintas tentando aprender como se coloca. Mas claro que o resultado final, com a roupa completa, fica ótimo.


Levi e o Titã Colossal


O legal de cosplay de SNK (principalmente o  Levi) é a opção de fazer diversos tipos de fotos com os demais membros da Tropa. Por conta do sucesso da obra, muitos fãs fazem aretes humorísticas e mesmo o personagem sendo sério, contribui para se fazer diversos tipos de fotos e vídeos divertidos. Ou mesmo fotos épicas e bacanas.

O cosplay do Levi foi o coplay onde pude realizar pela primeira vez, meu desejo de fazer uma dupla/ship com direito á fanservice liberado. Para quem não sabe é só ver a foto aí em cima.
Ship é um casal (fictício ou não) que o fã apoia; fanservice seria colocar esse gosto em prática, seja com fanfics, fanart ou cosplay. Mais pra frente pretendo fazer um post mais explicativo sobre o tema.


Levi e Erwin
Sim, eu shippo. Shippo tanto que meu namorado aceitou fazer 
o cosplay para rolar fanservice..

Eu shippo Levi/Erwin por inúmeros motivos. Não apenas porque ambos dão um contraste excelente, mas porque ambos são personagens maduros, inteligentes, que possuem muito sofrimento e responsabilidade nas costas. Se conhecem há muito tempo e se compreendem,

Quando meu namorado aceitou fazer o Erwin comigo, eu fiquei imensamente feliz. Corri atrás de todas as coisas para o cosplay e ele aceitou toda a minha loucura para fazermos as fotos. E quando obtive o resultado das fotos, eu fiquei encantada. A nossa dupla ficou linda! E o pessoal super aprovou! No evento quando fazíamos as fotos brotava fãs do "shipp" de tudo que era lado para tirar foto XD.



Vídeo feito no AF 2015
Baseado na clássica cena: Eren levando chute do Heichou!

huehuehuehuehuehuehuehue meu primo Renan aceito ser o Eren e topou todas as doideiras
que eu tinha em mente. Só faltou ele gritar Tatakae!


Acho que o Levi é o cosplay em que eu mais me transformo. As pessoas dizem que eu fico parecendo outra pessoa com esse cosplay. No começo eu não achava mas agora, quando finalmente consegui atingir o resultado final, eu acho que realmente consigo mudar bem. Até minha voz muda na hora que preciso incorporar ele nos vídeos!

O Levi é o personagem de Shingeki no Kyojin no qual os fas mais "shippam" ele com algum outro personagem. Shippam ele com o protagonista Eren, com a cientista Hanji, com a subalterna Petra, com o comandante Erwin, com a irmã adotiva Isabel e por aí vai...eu particularmente shippo ele com a Petra (porque tem altos indícios de ser realmente real) e com o Erwin porque...eu já expliquei em parágrafos acima rs.


Levi e suas musas Hanji Zoe e Petra Ral

Eu decidi fazer o Levi porque uma amiga minha tinha decidido fazer cosplay de outro personagem e queria um grupo. Foi ela a pessoa quem fez as minhas espadas. O Levi seria um desafio para mim, então passei a me dedicar muito á ele. Comecei também a recrutar pessoas para o grupo e tentando melhorar o que podia. O mais dificil de coseguir (na época) foi a bota. As espadas vieram do outro Estado e as demais peças foram ou importadas ou encontradas por aqui. A peruca eu tive que fazer todo um corte e a maquiagem foi obtida depois de várias tentativas (entre erros e acertos).

Teve pessoas que desdenharam quando eu disse que faria o cosplay do Levi, que tentaram provocar e etc. Mas hoje eu esfrego o meu cosplay na cara dessas pessoas e sei que existe um recalque não só por eu ter feito um bom cosplay, mas por eu ter tido um grupo maravilhoso, ter amigos e amigas incríveis que toparam fazer cosplay dos demais personagens e por ter alguém para shippar.



Grupo SNK 2014

Grupo SNK 2015

O grupo cosplay de Shingeki no Kyojin foi o meu primeiro grupo de cosplay. E também foi um grupo mega ultra master especial para mim. Além de eu ter todo o esforço recompensado (recrutando membros e ajudando a galera com as coisas de cosplay), fiz amizades incríveis e o nosso grupo foi um verdadeiro sucesso em 2014. Em 2015, alguns membros saíram e outros entraram mas fizemos um bom sucesso e focamos mais em fazer um photoshoot exclusivo no próprio evento.

Desejo muito reunir a Tropa novamente. Tanto para uma sessão de fotos quanto em algum evento grande. Ali todo mundo é amigo ou colega, pessoal se compromete, interage e nos divertimos. E somos a única tropa brasileira com titãs zoeiros!
 Porque juntos somos a Tropa da Zoeira de SNK!



Por conta de organizar o grupo e ajudar o pessoal, a galera do grupo realmente me colocou como Heichou (Cabo em japonês, relativo á posição militar do personagem) da Tropa. XD E embora á princípio eu tenha achado isso estranho, hoje acho divertido e entro na brincadeira. Ás vezes me sinto até na obrigação de ajudar os amigos quando eles precisam de algo para o cosplay ou mesmo para convesar e desabafar sobre complexidades da vida.

E e já consegui convencer pessoas a fazerem parte dos meus grupos cosplay (não apenas de SNK) usando diversas formas de persuasão huehuehuehue.



No Anime Friends 2014 consegui uma foto com a Reika, uma das 

cosplayers mais tops do mundo. E ela também faz cosplay de Levi!


Duas coisas legais ocorreram quando usei meu cosplay do Levi. A primeira foi em 2014 no Anime Friends. A cosplayer japonesa Reika, umad as mais famosas do mundo, estava como uma das atrações especiais do evento. Ela ficou super famosa por fazer o cospalydo Levi e a fila para poder tirar foto e pegar autógrafo dela era enorme. Por uma grande sorte do destino eu consegui a chance de tirar uma foto com ela.

A segunda foi que, com o cosplay do Levi eu ganhei meu primeiro prêmio como cosplayer. Na categoria desfile do evento Jundiai Anime Fest do ano passado. Eu realmente não esperava ganhar e foi divertido.

Evolução do Cosplay:
No centro, a versão atual e que considero melhor.
Do lado esquerdo a primeira versão e do lado direito, a segunda.



Por isso, eu tenho orgulho do meu cosplay de Levi, sei que ele está em um nível bom de semelhança com o personagem portanto e vou me gabar dele SIM.
Porque esse cosplay só me trouxe e traz coisas boas!



~*~

Fotos por:

Daniel Kato
Dirceu Santana
Adriano Lima
Fabricio Modesto Dolci
Rodolfo Terni
David Ernando

domingo, 6 de setembro de 2015

A Canção mais Antiga da História da Humanidade



ECHOES of UGARIT




Esta é a música mais antiga já registrada na história. Sua composição foi encontrada em tabuletas de argila, escritas em letra cuneiforme, na Síria, nas ruínas da antiga cidade de Ugarit.
O texto foi descoberto pela primeira vez em 1950, onde os arqueólogos encontraram diversas tábuas que remontavam ao século 14 A.C, aproximadamente 3400 anos atrás. O texto encontrado em escrita cuneiforme no idioma Hurrita (povo que viveu na antiga Mesopotâmia) pode ser o mais antigo registro de uma composição musical.

De acordo com estudiosos, a descoberta confirma que  a escala diatônica de sete notas e a harmonia, já existiam há muito mais tempo do que se imaginava. Isso confronta com a opinião da maioria dos musicólogos que alegavam que a harmonia musical no mundo antigo era inexistente e a escala só teria surgido na Antiga Grécia. A descoberta das tabuletas de Ugarit revolucionou então o conceito da origem da música ocidental.



Mas a pergunta mais intrigante disso tudo é: como essa música ancestral soaria? Certeza absoluta talvez nunca tenhamos. Mas, desde sua descoberta, diversos estudiosos procuram reproduzir como seria a canção. Logicamente que não utilizando os instrumentos daquela época pois, embora os registros históricos apontem a lira, a flauta e outros instrumentos antigos como instrumentos utilizados, não há uma completa certeza. Além do mais, a composição encontrada nas tabuletas trata-se da Harmonia da canção e não da melodia propriamente dita.

Em 1972, o professor de Assitologia Anne Draffkorn produziu uma interpretação que você pode ouvir logo abaixo. Ele usou um teclado MID  na composição desenvolvida por ele com base nos registros históricos. Essa versão é bem diferente das demais versões que surgiram posteriormente e que hoje são mais aceitas.
Desde sua publicação, diversos outros estudiosos procuraram desvendar os mistérios das tabuletas de argila e desenvolver outras possíveis versões de como essa antiga canção soaria.




 Ao que tudo indica a canção contida nas tabuletas é um hino á Nekkal, deusa das plantações. Antes  da descoberta das tabuletas em 1950, pouco se sabia sobre a música sumério-babilônica exceto os instrumentos utilizados, o que foi deduzido em imagens esculpidas e vestígios arqueológicos encontrados. A música (tanto a teoria quanto a prática) era considerada pelos antigos povos como uma arte divina e seu patrono era o deus Enko/Ea, que governava os reinos da magia, da arte e do artesanato.

Em 2010, o compositor e pianista Malek Jandalli e a The Syrian Simphony Orchestra em parceria com a The Russian Philharmonic Orchestra apresentou ao mundo uma versão aperfeiçoada da mais antiga canção da humanidade. Particularmente, esta é a versão que mais gostei. Mesmo que na época de seu surgimento, não era esse som que se ouvia pela antiga cidade mesopotâmica, essa composição evoca um miticismo único.



Curiosidade: essa canção é tocada no filme Prometheus (2012) do diretor Ridley Scott. No filme, que aborda a busca do homem por sua própria origem criada por seres de outro mundo, o personagem David 8 (interpretado de forma fenomenal por Michael Fassbender)  em um determinado momento, ao se ver diante da base da nave pertencente aos "Engenheiros", ele toca uma rudimentar flauta. A música tocada é Echoes of Ugarit e no filme, ao tocar essa canção, o painel de controle da nave é iniciado.

Eu realmente não sei explicar a sensação que ouvir essa música me provoca. É como se ela realmente possuísse um poder mítico, ancestral. Como se trouxesse  de um mundo há muito esquecido, a existência de uma magia, de uma inteligência e de um conhecimento muito superior. Um conhecimento sagrado que permanece oculto e desconhecido ao longo das eras. Essa canção realmente provoca uma sensação diferente ao ser escutada....e faz com que queiramos ouví-la seguidamente, como se fosse um mantra.




~*~